Quem sou eu

Minha foto
Sou graduada em nutrição pela UNISINOS e pós-graduada em nutrição esportiva pela UGF/RJ. Formada em Florais de Bach, pelo Instituto Dr. Edward Bach. Cursos de extensão em Nutrição Funcional pelo Centro Brasileiro de Nutrição Funcional. Ganhadora de cinco prêmios de qualidade empresarial e profissional Agência Focus, na categoria nutricionista. Nutricionista com mais de 13 anos de experiência clínica em atendimentos voltados para o emagrecimento e qualidade de vida. Coach formada em Life Coach, Coaching Executivo Humanizado, Seis Necessidades Básicas Humanas & Empresariais Aplicadas, Coaching Educacional, Oratória Avançada - método Vanessa Tobias Coaching - Florianópolis/SC. Criadora do método de Coaching Nutricional – Leve Mente.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

RECEITAS

Quer variar seu cadápio com receitas leves?
Veja o blog - http://tempoparavoce.blogspot.com/
Receitas explicadinhas passo a passo e com fotos, não tem como errar!
Bom apetite!

Novidade


Olá
As barrinhas de cereias são ótimas aliadas em regimes de emagrecimento, principalmente para serem usadas como lanche
Se vc já enjoou das barrinhas tradicionais experimente o novo lançamente da Banana Brasil, as barrinhas Gravittá, levinhas e com apenas 54 calorias. Abraços a todos!

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

O FISCAL DOS DOCES

Insulina
A insulina é produzida pelo pâncreas para reduzir o nível de glicose no sangue. Assim, quando um batalhão de açúcar invade a sua corrente sanguínea, após ingerir uma guloseima, por exemplo, a insulina entra em cena como o policial que vai capturar esses marginais e pôr ordem no local. O que não puder ser despachado para os músculos e para o fígado para ser transformado em energia (glicogênio), ou aproveitado pelo corpo, é aprisionado na forma de gordura. E, uma vez que a insulina está presente, dificilmente ela liberará esse estoque para ser convertido em energia. Segundo Rodrigo Hohl, especialista em biologia funcional e molecular e pesquisador do Laboratório de Bioquímica do Exercício (Labex) da Unicamp, o gerenciamento desse hormônio é uma das formas mais eficazes de perder peso. “Quanto mais o seu corpo produzir insulina, mais o seu organismo ficará resistente a emagrecer”, afirma. E qual a melhor maneira de controlar a insulina? Não é difícil adivinhar: cortar a ingestão de açúcar e alimentos processados.
O QUE COMER

Alimentos de baixo índice glicêmico (IG) ajudam a reduzir a produção de insulina. “Carboidratos, mais do que qualquer outro nutriente, estimulam o pâncreas a produzir insulina. Os de liberação lenta, de baixo índice glicêmico, são absorvidos gradativamente pelo organismo, assim o pâncreas não trabalha tão arduamente e menos insulina é produzida”, explica a nutricionista esportiva e biotecnóloga Priscila Machado, especialista em bioquímica nutricional, do Rio de Janeiro. Alguns carboidratos de baixo IG são: aveia, pão integral, leite, macarrão, legumes e a maioria dos vegetais.
O QUE FAZER

Exercícios consumidores de gordura, como os treinos intervalados — aqueles de séries em altíssima intensidade e curta duração, como os tiros na corrida —, também reduzem a produção de insulina. “Quando você se exercita, a glicose é removida da corrente sanguínea para ser absorvida pelas células dos músculos e ser usada na produção de energia, reduzindo a necessidade do pâncreas de produzir mais insulina”, diz Hohl.
PARTE DE MATÉRIA PUBLICADA PELA REVISTA WOMEN'S HEALTH - OUTUBRO

sábado, 17 de outubro de 2009

Photoshop


VOCÊ VIU ISSO?

As duas fotos ao lado são da mesma mulher, uma modelo.
A foto da esquerda que recebeu, obviamente, um "retoque" do Photoshop, é de um recente anúncio da famosa marca Ralph Lauren.
A excessiva magreza das modelos que invadem os anúncios e as passarelas é sempre um assunto em pauta. Mas mesmo assim ainda são cometidos verdadeiros absurdos!
Pesquisas feitas nos Estados Unidos apontam que a magreza excessiva retratada nas revistas e nos anúncios voltados para mulheres diminui a autoestima do sexo feminino, e aumenta os índices de anorexia, bulimia e intervenções estéticas desnecessárias.
Modelos magérrimas servem de referência para a mulher, ditando um 'padrão' de beleza, que de "padrão" não tem nada! Uma característica física que só é apresentada por 0,5% da humanidade não pode ser considerada padraõ normal. Seria como admitir que a inteligência de Einstein, admirável sob todos os pontos de vista, fosse o 'padrão'.
Ser magra (dentro de limites saudáveis) é importante sim, melhora sua auto estima, sua disposição e principalmente sua saúde.
Abra os olhos para a alienação que a mídia possa oferecer e perceba que todo ser humano é belo, principalmente por causa das diferenças!

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

QUANTAS CALORIAS A MENOS PARA PERDER 1kg DE GORDURA?

Para perder 1 kg de gordura em média precisamos ter um gasto, que deve ser acumulativo de 7600 kcal.Então se sabemos que 1 grama de gordura tem 9 kcal, deveríamos consumir 9000 kcal a menos para reduzir 1 kg de peso, mas o tecido adiposo tem um acréscimo de 15% em água. Então na verdade para reduzir 1 kg de tecido adiposo é preciso gastar ou consumir a menos 7700 kcal .

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Sabia que há uma profusão de hormônios que não só influenciam o que você põe no prato como também podem ajudar a desgrudar a gordura da sua cintura?

HOJE VAMOS LER SOBRE A LEPTINA
A leptina é um hormônio secretado pelo tecido adiposo que informa o cérebro como anda o seu estoque de gordura corporal. Uma das hipóteses estudadas pela ciência é que a leptina criaria um “ponto de referência” usado para manter o seu peso, o que explicaria por que alguns indivíduos ganham novamente os quilos perdidos no passado. Ou seja, você sonha em pesar 54 kg, mas, sempre que chega lá, seu corpo vai fazer de tudo para voltar aos 60 kg na balança ao menor descuido. A leptina tem sido considerada a responsável por regular essa “marcação”, estimulando o apetite quando você elimina gordura. Se o estoque anda cheio e excede esse ponto, o hormônio é produzido para suprimir o apetite. Mas há um furo nessa estratégia: quanto mais pesada a pessoa estiver, menos sensível ela será aos sinais da leptina de que “estou cheio”. Um estudo do Centro Médico da Universidade Columbia, nos EUA, achou níveis de leptina decrescentes em pessoas gordas que estão perdendo peso. Essa diminuição parece causar um aumento da atividade de áreas do cérebro responsáveis pela atração visual da comida. Ou seja, à medida que você perde peso, aquela coxinha engordurada começa a parecer mais saborosa — o que explica por que as pessoas voltam a comer tanto.

O QUE FAZER
Se você está tentando emagrecer, experimente fazer por etapas, a um ritmo de cerca de no máximo 2 kg por mês. “É como um elástico. Se puxá-lo repentinamente, ele volta rapidamente ao ponto original. Se puxá-lo devagar e o mantiver assim por algum tempo, a distensão tornará o seu retorno menor. Uma das teorias é que, ao perder alguns quilos de forma mais lenta, o nível de leptina se mantém tão elevado quanto possível e, assim, o emagrecimento se torna mais eficaz”, explica o professor de endocrinologia da Faculdade de Medicina da PUC-RS Giuseppe Repetto. Ou seja, no final, perder peso de forma lenta é hoje a forma mais rápida de emagrecer e de se manter no peso.

PARTE DE MATÉRIA PUBLICADA PELA REVISTA WOMEN'S HEALTH - OUTUBRO

domingo, 4 de outubro de 2009

Barrinha de cereais



Ingredientes
• 6 damascos secos• 1 xíc. (chá) de água• 1 pacote (200 g) de biscoito maisena• 1 xíc. (chá) de aveia em flocos• 2 col. (sopa) de uva passa• 4 col. (sopa) de leite em pó desnatado• 2 col. (sopa) de mel• ¼ de xíc. (chá) de flocos de arroz• 1 col. (sopa) de açúcar mascavo
Modo de preparo
Pique os damascos e cozinhe em 1 xícara de chá de água até amolecer. Escorra e reserve.Triture o biscoito maisena. Em uma tigela, misture o biscoito com os outros ingredientes, amassando bem com as mãos até formar uma massa homogênea. Forre uma bancada com papel filme (tipo Magipack), espalhe a massa e cubra com outro pedaço de papel filme. Passe o rolo de macarrão para deixar uniforme. Retire o papel de cima, corte em formato de barras e embrulhe em papel de alumínio. Guarde em local fresco.

Rendimento: 25 unidades
Calorias por porção: 73
Receita - Revista Boa Forma

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Segue parte de máteria publicada na revista WOMEN'S HEALTH
Com a idade, você perde músculo e ganha gordura!!
É, pode começar a torcer o nariz, não tem jeito: a composição corporal muda e não dá para garantir a mesma proporção de músculos (um monte!) e gordura (quase nada!) a vida toda. E isso mesmo no caso de felizardas que não viram o ponteiro da balança oscilar um milímetro a vida toda. “Depois dos 30 anos, o metabolismo começa a declinar em um ritmo de 2 a 4% por década, e emagrecer pode ficar muito mais difícil”, destaca Cintia Pettinati. Após os 35, a tendência é acrescentar cerca de 5 quilos a cada década, mesmo que você não tenha mudado a alimentação. Segundo Alfredo Halpern, após os 45 anos, a maioria das pessoas perde, em média, 10% da sua massa muscular a cada dez anos.
É claro que fatores como estilo de vida e hábitos à mesa têm relação direta com essas alterações. Indivíduos que levam vida sedentária e comem mais do que gastam sentirão mudanças no corpo e na balança muito mais cedo e fortemente.
Vire o jogo A prática regular de exercícios físicos é capaz de reverter a propensão e melhorar muito a condição física — ou você já se esqueceu do incrível visual exibido pela cantora Madonna aos 50 anos? “Para começar, é importante garantir que, ao se exercitar, você consiga ganhar massa muscular”, observa Cintia Pettinati. Um estudo publicado pela Universidade do Colorado na revista Health Science demonstrou que emagrecer 0,4 quilo por semana, durante 12 semanas, pode diminuir o metabolismo por causa da perda de músculos provocada pelos exercícios aeróbicos. Quer dizer, haveria o risco de o indivíduo queimar alguns quilos inicialmente mas depois não conseguir mais afinar. Para mudar essa situação, levantar peso três vezes por semana é a maneira mais rápida de conseguir músculos e alcançar resultados quando a balança insiste em não se mover, defendem os especialistas. Pesquisas mostram que fazer anaeróbicos regularmente pode acelerar o metabolismo (e queimar calorias!) em até 8% mesmo quando se está em repouso! No estudo, que durou oito semanas, homens e mulheres que fizeram apenas aulas aeróbicas conseguiram perder 1,8 quilo mas não formaram músculos, enquanto aqueles que se dedicaram à metade de aulas aeróbicas, e levantaram peso, diminuíram 4,5 quilos de gordura e ganharam 0,9 quilo de musculatura. Então, já viu, tem que puxar um ferrinho!
Leia mais em: